Se quiser receber as postagens por email, assine aí!

30 de abril de 2013

A difícil arte de entrar em forma!



Este é o relato da minha amiga de longa data ( hoje mais virtual, mas passamos bons momentos indo para o cursinho  na abóbora do amor  no meu fusca laranja- post para outra hora ).

Com vocês, a Lara ( anotações em vermelho expressam a minha opinião sobre...rs )


"Primeira aula na academia nova: 

Ritmos (oba, quem sabe rola uma salsa, um jazz... Tô animada!). 

No bate-papo com a recepcionista, digo que espero que não seja de axé, porque o-de-io (enfatizo as sílabas). 

Ela sorri amarelo (xiiii...). 

Bom, vamos começar, chega a professora, simpática; as alunas, idem. 

Música de aquecimento: Lek, lek, lek, lek (uót??? Jesus, me tira daqui! )

 Respiro. Acabei de chegar

E a tolerância, Lara? 

E a persistência? 

Continuo, nada pode ser pior. 

Primeira música de fato: uma (sei lá qual) da Ivete Sangalo. 

Desculpa quem gosta, mas eu odeio (nada contra a pessoa, mas algo que começa com “Vamo lá, Salvadooooor” me dá sensação de pânico).  - Para mim é igual "tira o pé do chão"


Entro no clima (hein?!?!) e tento acompanhar os passos. 

Segunda música: uma letra que mistura vodka com água de coco (só penso na vodka e que é preciso ter nervos de aço), tipo um rascunho do inferno. 


Terceira música: uma da Cláudia Leitte (nessa hora já tô questionando o sentido de vida, indo de Sócrates a Nietzsche, passando por Buda e Nostradamus). 

Quarta música: Lek, lek, lek, lek (viro um autômato e danço o lek etc.)

Rezo pra não haver ninguém filmando escondido. Se isso cai na rede é a minha ruína. 

E todos os meus anos de USP? E meu mestrado? Meu curso na França? Tudo no lixo. 

“Bom, meninas, vamos pra última música”, diz a profa. “Querem escolher alguma?” 

Uma delas pede a da Shakira. Shakira!!! 

Nunca pensei que um popzinho pudesse se tornar minha tábua de salvação. 

Fico quase emocionada: me lembro até dos árabes e da dança do ventre, e que existe, em algum lugar remoto, vida inteligente. 

Fim da aula. 


Conclusão:

1. Academias são imbecilizantes. Se não fossem imbecilizantes, não seriam academias.

2. Aquelas pessoas devem ser felizes, dada a ausência de crítica.


3. Suei pra cacete (isso deve ter valido o esforço).


4. Lek, lek, lek, lek, lek, lek, lek (música do demo, to cantando até agora!)


5. Lek, lek, lek, lek, lek, lek, lek, lek, lek...

E como eu concluí para a Lara, é por isso que eu CORRO

2 comentários:

Camila Monteiro disse...

TIRA O PÉ DO CHÃO! Huahuahua que merda!

Eu acho que teria saído no primeiro Lek! (Agora tive que adicionar essa palavra no celular orque obviamente ele não reconhecia e ficava me corrigindo para LEQUE). AFF

Quase morri de rir com esse post!

Lek Lek Lek Lek... droga!

Maela disse...

Eu nunca ouvi esta música!

Sou feliz!!!!!!!