Se quiser receber as postagens por email, assine aí!

24 de agosto de 2015

Posso tirar o pedido?

O garçom coloca os cardápios para o casal e pergunta o que querem beber

- Coca! - em uníssono

- Com gelo e limão?

Silêncio. Ninguém tira a cara do celular.

O garçom repete a pergunta... nada.

Ele traz as cocas e dois copos com gelo e limão.

A mulher olha e diz que quer sem gelo, o homem diz que a dele é diet.

Ambos retornam a olhar a tela do celular.

O garçom retorna e pergunta o que eles querem para o jantar.

- Não abri o cardápio ainda, um momento.

Dez minutos depois o garçom volta e pergunta se eles aceitam sugestão do chefe, um peixe magnífico.

- Não gosto de peixe, já escolho.

O garçom exasperado olha para o rapaz do caixa e faz um sinal estranho com a mão.

Recebe um OK de volta.

Nisso umas 5 mesas reclamam...

O casal pragueja,

Apagam o celular. resolvem abrir o cardápio e fazer o pedido.

Quando eu estava indo embora perguntei ao garçom se ele tinha que desligar o roteador muitas vezes ao dia.

Ele deu risada e disse :

- Dona, eu não sei se passo mais tempo tirando fotos com cada celular que tem na mesa, desligando o wi-fi para conseguir tirar pedido ou fornecendo a senha. Desligo o roteador até na hora do cafezinho senão o povo vai ficando.


21 de agosto de 2015

ALEGRIA INCÔMODA



Local : Ilhabela

Dia : Domingo a tarde

Personagens : 8 amigos e um imbecil

A história : estávamos felizes e contentes andando de barco e jet em um lindo domingo ensolarado. Domingo este, que resolver ignorar o inverno e fez 30 graus.

Quando deu 3 da tarde, fomos comer a famosa casquinha de camarão no Viana.

O local é aberto, rindo pedimos caipirinhas e logo fomos enganar amigos incautos sobre o coco enorme ( fake ) que lá existe. Mais gargalhadas.


Eis que vem um argentino ( depois falam que tenho birra ) e começa a gritar conosco, dizendo que tínhamos que baixar o tom de voz, que éramos babacas e tínhamos que respeitar o local.

Todos nós ficamos uns 10 segundos mudos, olhando uns para cara dos outros.

Aí comecei a rir e perguntei onde estava o defunto, pois só fico quieta em velório.

O mais velho experiente da turma sacou uma câmera e foi atrás do cara.

Ninguém entendeu o porquê.

Ficamos preocupados, vai que o louco resolve sair no braço.

O experiente voltou chateado pois o cara fugiu e ele queria muito filmar aquela mesma cena absurda.

Perguntamos o motivo

"- Porra, se até vocês ficaram quietos, vou colocar esta gravação no almoço de domingo lá em casa, quem sabe meus netos me dão 10 segundos de sossego também."

Mais risadas e algumas piadas sobre o babaca ser mal amado, corno, etc, depois caiu no esquecimento.