Se quiser receber as postagens por email, assine aí!

5 de dezembro de 2010

TEORIA DOS 7 ANOS


Minha avó me falava que quando eu fizesse 7 anos perderia meu anjinho.

Que eu mudaria, pois a cada 7 anos, estamos diferentes.

Tentei me observar deste ângulo e saudosista como deve ser este post, resolvi colocar o que me faz falta, o que me fez falta e o que foi... estranho! E este é o resumo .....


Que falta me faz
O cheiro da chuva escorrendo na minha testa;
Os dedos e lábios tintos de amoras;
Meu joelho sempre ralado e dedão cortado;
Minha solidão no fundo da piscina;
A visão do alto da gaiola de caminhão;
A música alta no quarto do meu avô;
A rede da varanda;
O colo da minha avó.

Que estranho foi
A música e luzes tomando forma de angústia, em um giro confuso e doentio;
O abandono do pai;
A mudança de cidade.

Que falta me fez
O cão que morreu;
O colo que perdi quando irmão nasceu;
O interesse da avó paterna.

E assim se passaram 7 .....

Que falta me faz
O apito do juíz ao entrar em quadra;
O cheiro do breu na sapatilha;
O frio na barriga do primeiro beijo.


Que estranho foi
Os dias livres, comparações e devaneios;
As pessoas que eu não me lembro;
A torpez que me acompanhava;
A controvérsia da sexualidade.

Que falta me fez
A certeza de que eu me curaria;
A nobreza de quem me guiaria;
A segurança da família.

E assim se passaram 14 .....

Que falta me faz
Os amigos que me acompanhavam;
Os desafios da faculdade;
A gana de me posicionar no mercado de trabalho;
Os barzinhos de Piracicaba.

Que estranho foi
O tempo que dediquei ao namoro vazio;
O filho que perdi;
O carro que eu bati;
O risco que corri.

Que falta me fez
As noites de sono;
O inglês que nunca estudei;
A base que nunca tive;

E assim se passaram 21 .....
Que falta me faz
Descobrir o amor;
Fazer sexo 9 vezes em uma noite;
Ficar 4 horas na banheira tomando vinho e planejando a vida juntos;
Ficar grávida;
Amamentar o bebê;
Amar incondicionalmente alguém tão pequeno;
Emagrecer rapidamente.

Que estranho foi
As dores do meu filho;
A falta de tato de parentes;
A imprecisão dos médicos;
Trabalhar com meu marido.

Que falta me fez
O tempo entre os 2 filhos;
A experiência com médicos;
A maturidade emocional;
As noites de sono;
A distância da minha cidade.

E assim se passaram 28 .....

Que falta me faz
As viagens com crianças pequenas;
A facilidade na escola;
Ser obedecida pelos filhos;
Ter inocência emocional.

Que estranho foi
Ter que brigar para que amem meus filhos de forma igual;
Ter que desistir desta briga;
Afastar pessoas que me faziam mal;
A competição que eu não quis entrar.

Que falta fez
Minhas amigas que se mudaram;
Minha paciência que se foi;
O apoio que nunca tive;
O outro filho que perdi.

E assim se passaram 35 .....


Sou muito mais que isso, mas sem tudo isso, seria muito menos do que sou agora.

7 comentários:

Daniel disse...

Primeiro o texto está Maravilhoso. Parabéns.

Farei 35 em 2011 e tenho tanto a relembrar e tanto a fazer (ou refazer).

Mas a conclusão é divina. Somos muito mais do que as lebranças, mas sem elas seríamos menos. Muito lindo.

Beijos

Daniel

Rick disse...

Maela:

Acompanho o relator (no caso, o Daniel! Rs...)

Engraçado que passei parte da minha vida e infância (dos 3 aos 15) em...
Piracicaba!
É mole?

Beijos, querido!
Textos como esse nos tornam mais fãs e nos aproximam ainda mais, pois me identifiquei com várias passagens e fatos da sua vida!

Beijo grande!

Sara disse...

Oie Maela, li seu texto ontem, e por uma incrivel coincidencia, a noite no msn com um amigo ele falou exatamente sobre isso.

Maela disse...

Olá Daniel, obrigada pela visita, pelo coment e pela sinceridade! Tem coisas que passam mesmo ( thanks Lord ) e outra que deveriam ficar para sempre. A minha lista seria enorme, custou para resumir. Faça a sua e me conte!

Rick, será que já nos vimos por lá, eu ia sempre no salão de humor quando criança!

Sara, eu realmente não acredito em coincidências, tem algo importante sobre isso que você deve dar atenção!

Bjs mil

Jussara disse...

Parabéns atrasado, Maela! Que venham muito + ciclos de 7!

Leio sempre seu blog, mas nunca comentei, sempre fico com preguiça de comentar pela primeira vez. Tb leio seus comentários no blog da Elise (quando dou sorte de vc já ter comentado) e racho de rir. Às vezes seus comentários dariam um post, de tão bons que são. O que vc escreveu falando que o cara não poderia ter se formado em educação física, que tinha que ser curso difícil, foi hilário!

Agora, falando sobre esses ciclos de 7 anos, dizem que acontecem fatos importantes e às vezes pesados no ano em que fechamos um ciclo. No seu caso este ano foi bom ou ruim? Vc achou que foi pesado?

Bjs.

Sara disse...

Maela

Ele tb falou isso...rsrsrsrs

Acho que preciso parar um pouco pra refletir.

Maela disse...

Olá Jussara, bem vinda aos coments! Sem preguiça! rs

Fiz 35 ano passado, mas me afetou neste ano. Perdi minha avó, que era meu porto seguro, abri outra empresa e teve a mudança da BFF para outra cidade. Todos estes eventos iniciaram ano passado, mas os reflexos sentidos agora.

No meu caso, todas as viradas de 7 anos foram bem significativas, com eventos importantes.